CAETÉ NA ROTA DAS ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS

CRIME ORGANIZADO 
28/11/2019
Ministério Público de Minas Gerais, Polícia Civil, Polícia Militar e Receita Estadual investigam organização criminosa com atuação no Detran em Santa Luzia e deflagram operação Cataclisma

Foi deflagrada na  madrugada desta quinta-feira, 28 de novembro, a Operação Cataclisma, que tem por objetivo o combate a uma organização criminosa integrada por policiais civis, militares, despachantes, comerciantes e donos de pátios de apreensão de veículos nos municípios de Santa Luzia e Lagoa Santa. Foram expedidos 46 mandados de busca e apreensão e 13 de prisão temporária, que foram cumpridos nas cidades de Belo Horizonte, Caeté, Lagoa Santa, Sabará, Santa Luzia, Taquaraçu de Minas e Vespasiano.

Também foi determinado o afastamento de sete servidores da Prefeitura de Santa Luzia que eram cedidos ao Detran e são investigados por envolvimento no esquema. Houve, ainda, a determinação do bloqueio de R$ 16.851.552,84 dos investigados a fim de assegurar a perda dos produtos dos crimes. O valor se refere à quantia aproximada das movimentações financeiras dos investigados, feitas sem comprovação de origem.

O esquema, investigado há mais de três anos pelo Ministério Público, envolve a cobrança e recebimento de propina para a liberação e transferência de veículos, desvio de peças e equipamentos de veículos apreendidos, participação nos lucros e recebimento de propina de pátios de apreensão, inserção de dados falsos nos sistemas informatizados do Detran, obstrução de investigação de organização criminosa e lavagem de dinheiro. As investigações foram conduzidas por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Grupo Especial de Promotores de Justiça de Defesa do Patrimônio Público (Gepp) e por três Promotorias de Justiça de Santa Luzia, com o apoio do Grupo de Combate às Organizações Criminosas (GCOC).

Participam da operação seis promotores de Justiça, 13 delegados de polícia, 39 investigadores, quatro  escrivães e três peritos criminais da Polícia Civil, 155 policiais militares, cinco auditores da Receita Estadual, nove servidores do Ministério Público e 60 viaturas dos órgãos públicos envolvidos. As prisões temporárias foram decretadas pelo prazo de cinco dias. O Ministério Público prosseguirá nas investigações.

Ministério Público de Minas Gerais
Superintendência de Comunicação Integrada
Diretoria de Imprensa

VEJA A NOTICIA NO SITE > MPMG

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s