COM A PALAVRA O COLUNISTA

Um escritor deixa de existir quando passam a existir seus escritos. Cada letra é uma célula de seu corpo, cada texto um órgão, cada pensamento uma memória. Por isso escritores não morrem, desaparecem enquanto seus corpos vivem imortais em seus livros.

Você é “foda” Rubem Fonseca, puta que te pariu… inteligente, criativo, afirmava com muita certeza que palavra nenhuma deve ser discriminada. Por isso minha homenagem nos palavrões neste texto. Quem sou eu para me denominar “escritor” diante de ti mestre… sou uma “bosta’ de aprendiz que com muita honra diz: sigo seus passos de longe mesmo sabendo de antemão que jamais te alcançarei.

E aí desse lado, onde um diante todos nos encontraremos, continue escrevendo, escrevendo, escre…….

Vascão do pastel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s