ONÇA-PINTADA DE CINZA E PRETO NOS INCÊNDIOS NO PANTANAL COMOVE O MUNDO

TODO UM BIOMA DESTRUÍDO

O Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe) afirmou que até 19Setembro quase VINTE POR CENTO do Pantanal Brasileiro já havia sido destruído e que 2020 já pode ser considerado o pior ano da história desse bioma em número de queimadas.

Foram consumidos pelo fogo 2,9 milhões de hectares, algo equivalente a quase 10 vezes o tamanho das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro juntas. Em meio a essa destruição, no Mato Grosso, o Parque Estadual Encontro das Águas, também foi duramente afetado e até o último dia 13 perdeu 85% de seu verde para as chamas, informa o ICV (Instituto Centro Vida). Essa região, além de ser um dos maiores refúgios de onças-pintadas livres do planeta, também é um importante destino turístico de observação da vida selvagem. Por lá, vire e mexe são produzidos documentários como os da National Geographic.

O RETRATO DA ONÇA

Ainda não é possível calcular quantos animais morreram em decorrência dos incêndios no Pantanal, mas pelas imagens captadas, principalmente do alto, é possível ter uma noção. E como toda grande tragédia tem seus retratos históricos, os de agora estão surgindo pouco a pouco. São várias cenas tristes que ficarão para a posteridade e entre elas uma viralizou – e continua – por mostrar o sofrimento de uma onça-pintada.

A imagem do maior felino das Américas e que já foi um deus para os antigos povos indígenas, em apenas uma publicação no Twitter chegou a ter 80 mil curtidas. Foi compartilhada em peso nas redes sociais principalmente por gente famosa, como Carlinhos Maia, Guilherme Boulos e Manuela D’avila e estampa diversas manchetes relacionadas a esse assunto. Ailton Lara, diretor da empresa de turismo Pantanal Jaguar Camp e que captou o sofrimento da onça, disse que espera com o flagrante mobilizar as pessoas para que preservem e se atentem à natureza.

No dia da foto, feita na última semana, Lara contou que estava em um barco com membros da Aecopan (Associação Civil de Ecoturismo no Pantanal Norte ) à procura de bichos do Parque Encontro das Águas vitimados pelo fogo. O objetivo do grupo, unido em voluntariado, era socorrê-los, e foi então que durante a missão a onça-pintada cruzou o caminho deles.

MACHUCADA E EXAUSTA

O animal, um macho, surgiu perto do rio, mas com a aproximação do barco se distanciou alguns metros e parou fragilizado sob a sombra de uma árvore. Lara e os companheiros então ficaram em silêncio e se mantiveram a uma margem segura para observar o predador. Foi dessa forma que foi produzida a foto, que acabou também revelando um triste diagnóstico.

De acordo com Lara, o animal, que se manteve deitado, com um olhar cabisbaixo e sem rumo, deixava as patas voltadas para cima, como se não pudesse tocá-las no solo. A explicação para esse comportamento atípico, ele descobriu em seguida, após notar também que a onça não encontrava uma posição confortável para ajeitar a cabeça e o corpo, é porque ela estaria com muita dor por estar com os coxins (as “almofadas” sob as patas) severamente queimados. 

Sem equipamentos suficientes para conter e resgatar o “bichano”, que tem a mordida mais forte entre todos os grandes felinos, o grupo então acionou veterinários voluntários para ajudá-los. Porém, não tiveram tempo de prestar socorros. Após descansar, a onça acabou se levantando e, devagar, aparentando ainda sofrer com as queimaduras, entrou na mata e sumiu. Procurada no dia seguinte, não foi avistada. Somente suas pegadas e muitas cinzas. 

VEJA A NOTICIA NO SITE GENTE.IG

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s