CAETÉ INOVA NA SAÚDE

Município usa método pioneiro da UFMG para testar Covid por meio de saliva

Procedimento é menos invasivo pois dispensa os swabs (cotonetes), e também reduz o risco de contaminação

A Prefeitura de Caeté, na região metropolitana de Belo Horizonte, começou a utilizar um método pioneiro da UFMG para diagnosticar se uma pessoa está ou não com Covid-19. Ao invés dos métodos invasivos, que usam o swab (cotonetes dentro do nariz), o procedimento adotado colhe saliva.  O novo teste, que ainda está em análise pela universidade federal de Minas, tem apoio do Ministério de Ciência e Tecnologia e de outras 11 universidades brasileiras.

Caeté destacou que é o único município no Estado a participar dessa etapa da pesquisa.

“Utilizando raio laser e inteligência artificial, o teste que vem sendo desenvolvido pela UFMG oferece diagnóstico mais rápido que os outros testes já convencionais. Além disso, o grupo de pesquisa que está desenvolvendo a tecnologia e atuando em Caeté busca confirmar a eficácia do modelo de testagem”, ressaltou a prefeitura.

Biomédico e pesquisador da UFMG, Lucas Fernandes explicou que o teste com as amostras salivares substitui os exames RT-PCR e sorológicos. Ele também reduz o risco de contaminação, já que o próprio paciente pode coletar saliva.

“Nosso objetivo é uma testagem em massa da população brasileira”, disse.

Pró-reitor adjunto de Pesquisa, André Massenssini detalhou que o teste salivar faz a leitura em apenas três minutos.

“Nossa expectativa é comparar as amostras coletadas pelo swab nosorofaríngeo com as amostras salivares de um mesmo paciente. Assim, poderemos observar se os dois testes são equivalentes”, afirmou.

Segundo o professor, caso o teste por amostra salivar tenha sua eficácia equivalente ao que utiliza amostras colhidas no nariz e na garganta, o primeiro poderá ser autorizado e tornar-se padrão, ampliando, assim, a capacidade de testagem.

“A coleta salivar é mais fácil, e o resultado sai mais rapidamente. A amostra não precisaria ser enviada aos laboratórios, pois qualquer hospital poderá adquirir o equipamento e, após treinamento, realizar os exames. Isso viabilizaria a coleta e análise de mais amostras fora dos grandes centros urbanos”, justifica Massensini.

Em Caeté, a expectativa é coletar mais de 1.400 amostras de diferentes públicos.

VEJA A NOTICIA NO SITE > OTEMPO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s